segunda-feira, 27 de abril de 2015

.

tropeço
   - é - trô-pêço
           mastigante
         aos olhares.
     Por quê sinto que tem algo não falado?
                 Não só isso. Qualquer outra coisa.
               esferas infinitesimais
                   o arquipélago das grandes duvidanças.
               Não há sequer o respingo de satisfação em percorrer essas assimilações
                                                                                                                cortantes.

                   Não há sequer o entendimento. No descascar dos fatos, penso dentro de uma lógica, sigo um raciocínio. O que sinto me foge. Me foge.
                                 Me foge! três vezes.
                                            Me foge! áh! pff.

            Digo que, pensar que alguma coisa pode ser reacendida mais pro lado de lá do que de cá...
a incerteza e a insegurança me corroem. eu passo por um período muito ofuscado em que só penso que não vou mais me deixar ser pêga na tempestade de merdas. e a mente avança... coloco um peso futuro (ou do futuro)...
         Sufôco e agonia na garganta. o peito é sugado pra dentro. A respiração para. tudo fica abafado...
cabeça quente. olhos embaçados. visão completamente psicodélica. derretimento em ofuscamento das coisas em várias camadas. é úmido.

                  Por quê a frustração não é compartilhada?
            Eu tendo a construir minhas loucuras de pressupostos.
Me bato
me cuspo
por me sentir assim.
me reduzo
me venço
me perco.
devaneios tortuosos.
                de silhuetas tortuosas.
                                                       e igólatras egolásticas.
poxa ;( que ruim.  me pesou...

Nenhum comentário:

Postar um comentário