segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Obra 2

começa com um grito pioneiro. algo agudo, forte, descompassado. alguns acompanhamentos, algumas marcações. não sei se gosto; se me conforta, tal tipo de coisa desordenada. as ações são poucas, breves; algumas, despercebidas. a concentração de quem tenta captar se perde. mas os executores dos movimentos os fazem com baita convicção. fica bem baixo, pontudo. um som trêmulo que soa do quase inexistente contato do arco com as cordas. é hesitante. e se cala.

Nenhum comentário:

Postar um comentário