domingo, 19 de fevereiro de 2017

desilusão

o pato que vi passar.
dormir numa posição
única  só sua  que só você
ache confortável; pensa.
aquela mesmo.

não me desperta.
não pega no meu cabelo.
vejo distorcido   vejo torto
o que dá o volume nessa massa toda preta?

 9.2.17   3:00 a.m


olhando para o desenho da escultura de Paulo Mazzuchelli - Desilusão - bronze  - 1930


pega. esmaga.
aquela esquina que
cantamos odara. contorce
o monte vento que sopra
essas palavras ardilosas,
esses cantos bailáveis,
minha silhueta de dor.
("ela é uma rata!")
e é. e é. e é!
cântica morada.
consistência viscosa.
cai se grudando pelo ar.
se pudesse, cairia
na direção contrária
imagino um pote
grande
  de caramelo bem
    dourado. afundo o
   dedo   o espaço em
   volta preenche de
    doce de melado

dum nadar não sair do
lugar. dum mexer os
dedos e não os mover.
de pressionar    morder os
dentes e engolir. seco,
que estala no ouvido.
o armado não foi comigo.
as corredeiras que formaram,
pelas quais passava meu sangue,
minha seiva   esta seiva que
transforma não ----- permanece.
os vales profundos,
as cachoeiras de dentro
da gruta, o asfalto da
subida que não tem
atrito com o pneu
careca. som das
andorinhas mergulhadoras
que vem   voam  desde aonde a vista alcança
até cruzar a árvore logo em frente
para entrar de ângulo na sua caverna.
movimento retirada no fim da luz
os últimos segundos
de raios, escorrego meu pé na pedra,
sentada,
me imagino caindo.

08.02.17     2:18 a.m
o que se sucedeu. o que não se sucedeu. dias ordinários   à toa   fazedora de merda. feita de merda. feita a merda. uma fruta bem passada    uma manga caída na rua   esmagadas e jorradas pelos pés e bicicletas que pisam esse mesmo chão. uns se jorram   outros pisam jorrando outros        o bom mesmo é fazer a hora passar                pontapé    meus dedos estirados      meus tendões visíveis

algo entre o dia 9 e 11.02.17
mais uma noite
e faço promessa de escrever sonhos,
delírios, campos de batalha, infinitas dimensões. tudo dentro de uma coisa só, mistura das coisas dos meus dias; noite que filtra os ingredientes da grande peripécia - esqueço quase tudo, toda noite.
o chamado pra interpretação ainda me abala. (tenho acordado com dificuldade de acreditar que a realidade é a realidade*) gradualmente vou conhecer esses abismos que mergulho. a sensação é de ter mergulhado de cabeça, em queda-livre, quando de repente, me deparo com um cenário. onde geralmente estou em primeira pessoa. corredores de cerca viva que vão até aonde vai a vista, morte num caixão circular, casebres de madeiras, florestas tropicais gigantes, rios gigantes, tom sépia tom avermelhado dos morros do chapadão, a vista à luz do sol que se põe, morros vermelhos, céu em degradê. migra para a realidade. dúvida em distinguir.
(não compartilhar tudo só com ela)
30.01.17   23:59
do que não se pode sentir nem tocar
imagina! imagina uma outra compatibilidade. uma que já passei a não considerar.
passo, portanto, pelas tênues tortuosidades
um terminal imenso de dead ends



01-02.02.17////